Arquivo mensais:agosto 2015

31 DE AGOSTO

Escola de E-commerce: confira essa novidade

O comércio eletrônico brasileiro vem mantendo um forte ritmo de expansão em 2015, especialmente na comparação com o varejo tradicional. Segundo a E-bit, empresa especializada em informações do setor, o faturamento do e-commerce no país registrará um salto nominal de 20% neste ano, atingindo R$ 43 bilhões.

Para auxiliar empresários interessados em investir nesse mercado, a WIS Educação desenvolveu a Escola de E-commerce, que tem a curadoria de PH Munhoz e André Fiorini, experientes profissionais da área.

As aulas começam no próximo dia 14 de setembro e seguem até outubro. O programa inclui os seguintes temas: Planejando E-commerce; Operação; Financeiro; Métricas; Ações de Marketing e Vendas I; Ações de Marketing e Vendas II e Visita Técnica a um E-commerce.

O curso é direcionado para três perfis em especial: empresários ou profissionais de varejo que desejam ingressar no e-commerce; empresários que desejam abrir um e-commerce, apesar de não atuarem no varejo; profissionais que desejam atuar como gerentes ou colaboradores em e-commerce.

As inscrições podem ser feitas no site da WIS Educação: wiseducacao.com.br. Confira!

27 DE AGOSTO

CDL Vitória apoia Movimento Compre do Pequeno Negócio

O pequeno negócio é responsável por 52% dos empregos formais, totalizando mais de 10 milhões entre microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte. Juntos, eles somam mais de 95% do universo empresarial e representam 27% do PIB brasileiro.

Por isso, a CDL Vitória, juntamente com a Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), apoia o Movimento Compre do Pequeno Negócio, liderado pelo Sebrae, que tem como objetivo valorizar o micro e pequeno varejista. O dia D da ação será em 5 de outubro, Dia Nacional da Micro e Pequena Empresa.

Dia de priorizar, incentivar e fortalecer os pequenos negócios do seu dia a dia. O pequeno negócio também é seu!

TESTE

Por que comprar dos pequenos?

É perto da sua casa

A padaria da esquina, o mercadinho do bairro, a borracharia, a lanchonete, a loja de calçados e uma infinidade de outros produtos e serviços sempre pertinho de casa. É tão comum ter tudo isso ao nosso alcance que nem percebemos como os pequenos negócios fazem parte da nossa história, tornando o nosso dia mais simples.

Ele é responsável por 52% dos empregos formais

Somam mais de 10 milhões, entre microempreendedores individuais, microempresas e empresas de pequeno porte. Além de 4,2 milhões de produtores rurais. Juntos, são eles que mais geram empregos no Brasil. Isso faz muita diferença para milhões de trabalhadores que tiveram o primeiro emprego em um pequeno negócio e para milhões de brasileiros que sustentam suas famílias a partir do trabalho em uma pequena empresa.

O dinheiro fica no seu bairro

Comprar do pequeno negócio local faz que o dinheiro fique no bairro, possibilitando criar novas oportunidades, gerar mais empregos e distribuir melhor a renda. Além disso, valorizar o pequeno negócio da vizinhança na hora da compra é uma decisão que resulta em menos deslocamentos pela cidade, menos estresse no trânsito, menos poluição ambiental. Isso também é qualidade de vida!

O pequeno negócio desenvolve a comunidade

Pequenos negócios valorizados movimentam o comércio local e promovem o desenvolvimento social. Ao comprar da pequena empresa, o consumidor ajuda os pequenos negócios a se fortalecerem. Isso estimula a empresa a inovar, a melhorar o seu desempenho, a diversificar a oferta de produtos e serviços, a atender melhor o cliente. A comunidade agradece a preferência.

Comprar do pequeno negócio é um ato transformador

O consumidor tem o poder de escolha. Eleger o pequeno negócio na hora da compra ajuda a fortalecer esses segmentos e impulsiona a economia. Portanto, a sua decisão de comprar dos pequenos negócios é um ato que pode transformar o país: ganha o pequeno negócio, ganha o consumidor, ganha o cidadão, ganha o Brasil. Comprar do pequeno negócio é um grande negócio para todos.

Acesse www.compredopequeno.com.br e saiba mais.

29 DE AGOSTO

Iniciativas para minimizar efeitos da crise

O movimento lojista, por meio das entidades representativas da classe, está empenhado em apoiar o empresário nesse período de retração no consumo, ajudando-o na busca de soluções para minimizar os impactos da crise no comércio.

Ainda com esse foco, as Câmaras de Dirigentes Lojistas (CDLs) mantêm um diálogo com as diversas esferas dos poderes públicos e com demais entidades do segmento, a fim de mobilizar iniciativas conjuntas e somar esforços para a adoção de medidas e estratégias eficazes no combate à crise.

Um dos resultados desses esforços conjuntos será a Feira de Negócios Cariacica 2015 (Fenec), que conta com o envolvimento e apoio do Sindicato Lojista e da CDL do município, do Sebrae-ES, da Prefeitura Municipal de Cariacica e do Governo do Estado. O evento acontecerá de 21 a 24 de outubro, na área de eventos em frente à Prefeitura Municipal, em Alto Lage.

Uma ação para estimular negociações e vendas, movimentar parcerias e aquecer o mercado, a Fenec reunirá expositores e públicos de todos os setores econômicos de Cariacica e do Estado, incluindo os segmentos de Alimentos e Bebidas, Beleza, Comércio Varejista, Confecção, Construção Civil, Economia Solidária, Educação e Tecnologia, Festas, Logística e Transporte, Móveis, Turismo e outros segmentos estratégicos para a economia local.

A programação da feira terá painéis, palestras, Salão do Empreendedorismo e Gestão, Fórum de Varejo, Conexão Empresarial, desfile de moda e outras atividades. Serão debatidos temas como logística, inovações, fontes alternativas de energia, gestão em vendas e demais assuntos relacionados ao varejo. O evento também será transmitido em tempo real por meio de uma Web TV.

26 DE AGOSTO

Como preparar a sua empresa para a implantação do e-Social

Começou a contagem regressiva para o início da obrigatoriedade da utilização do e-Social pelas empresas, para o cumprimento das novas obrigações trabalhistas, previdenciárias e fiscais. Por isso, é muito importante que as organizações se preparem para as mudanças.

Para auxiliar as empresas, será realizado curso sobre o assunto, no próximo dia 15 de setembro, na CDL Vitória, das 8 às 17 horas. O facilitador é o advogado e consultor José Alfredo do Prado Junior.

O investimento é de R$ 350, sendo que associados da CDL Vitória têm desconto especial e pagam R$ 250.

Inscrições e informações: pelo e-mail treinamentotrabalhista@gmail.com ou pelo telefone (41) 3387-5175. Garanta já a sua vaga!

25 DE AGOSTO

SPC Brasil ajuda a descobrir se consumidor é consciente

Você desliga o chuveiro para se ensaboar no banho? Só dorme ou sai de casa depois que retira todos os aparelhos da tomada? Jamais compraria um produto pirata mesmo que o preço seja bastante atrativo?

Uma pesquisa recente realizada pelo Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e pela Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) mostra que a maioria dos brasileiros reconhece a importância de consumir de forma consciente, mas nem todos praticam, individualmente, ações colaborativas para a vida em sociedade. De acordo com o levantamento, apenas dois em cada dez consumidores (21,8%) podem ser considerados “conscientes”.

Para ajudar os internautas a identificarem se são consumidores conscientes, o portal Meu Bolso Feliz, uma iniciativa de educação financeira do SPC Brasil, desenvolveu um teste que avalia o nível de engajamento e as práticas responsáveis dos brasileiros na hora de consumir.

As perguntas do questionário englobam as três grandes dimensões que compõem o conceito de consumo consciente, como as atitudes financeiras, avaliando as habilidades dos consumidores para lidar com os apelos do consumismo; as práticas ambientais, que investiga a disposição do consumidor para minimizar o impacto do consumo no meio ambiente; e as atitudes para engajamento social, que levam em consideração se o consumidor analisa as consequências de suas ações na sociedade e incentiva os outros a procederem de maneira responsável.

“O objetivo do teste é fazer o brasileiro refletir sobre o impacto que as suas atitudes de consumo tem na sociedade, de maneira que ele possa revê-las e mudar os seus costumes inadequados”, explica o educador financeiro do portal Meu Bolso Feliz, José Vignoli.

O teste divide os consumidores em três categorias distintas, de acordo com a intensidade da prática dos comportamentos considerados adequados: “consumidores conscientes” – que apresentam frequência de atitudes corretas acima de 80%; “consumidores em transição” – cuja frequência varia entre 60% e 80% de atitudes adequadas, e “consumidores nada ou pouco conscientes” – quando a incidência de comportamentos apropriados não atinge 60%.

Dicas para se tornar um consumidor consciente:

1. De olho nas compras
Um passo importante na hora de se tornar um consumidor consciente é pensar antes de comprar e, consequentemente ficar longe das armadilhas do consumismo. “Aqui, podemos citar alguns inimigos do seu dinheiro: vaidade, crédito, propaganda, status, ansiedade e crédito fácil”, diz Vignoli. Por isso, vale ficar atento às dicas abaixo e, a partir delas, se policiar antes da próxima compra:
- Sempre pesquise preços antes de adquirir algo novo;
- Não tenha vergonha de pechinchar;
- Compre produtos originais e evite promoções tentadoras;
- Não use o cheque especial ou cartão de crédito para comprar o que não cabe no seu orçamento;
- Não encare compras ou passeios no shopping como lazer;
- Quando se deparar com uma promoção, pergunte-se se precisa mesmo daquilo;
- Programe as compras de supermercado e chegue ao local com uma lista de compras;
- De preferência à qualidade e durabilidade do produto e não apenas a marca que ele carrega.

2. Use o telefone com moderação
Também faz parte das atitudes do consumidor consciente saber usar o telefone fixo e o celular com moderação. Entre as práticas que devem ser adotadas estão controlar a conta visando economia e falar apenas o necessário, deixando conversas importantes para serem feitas pessoalmente. Aqui, vale usar aplicativos sem custo como o whatsapp e avaliar se não vale a pena ter mais de um chip e aproveitar diferentes promoções das operadoras.

3. Fique atento aos sinais do meio ambiente
Já é altamente difundido que precisamos cuidar do planeta, certo? Junto a isso, empresas têm adotado iniciativas e atitudes como não gastar papel para impressão e usar menos o carro tem feito muito sucesso. Para garantir um consumo consciente e voltado ao meio ambiente, fique atento:
- Em vez de jogar fora aquilo que não quer mais, doe;
- Invista em atividades ao ar livre;
- Dê preferência a produtos que tenham a embalagem reciclável;
- Consuma frutas da época, mais saudáveis e mais baratas;
- Separe o lixo para reciclagem;
- Analise a procedência e atividades de fabricantes e marcas antes de adquirir algo.

4. Use a água e a energia elétrica com sabedoria
Ainda respeitando o meio ambiente, é necessário cuidar e respeitar bens finitos como a água e a energia. Por isso, adote atitudes como:
- Fechar a torneira enquanto escova os dentes, faz a barba, toma banho ou lava a louça;
- Use a máquina de lavar sempre em sua capacidade máxima;
- Apague as luzes de ambientes que não estão sendo usados;
- Prefira lâmpadas econômicas;
- Verifique a quantidade de energia que um eletroeletrônico gasta antes de comprá-lo;
- Tire aparelhos da tomada quando não estiverem sendo utilizados;
- Convide todos da casa para assistir TV no mesmo cômodo;
- Controle as contas mês a mês visando economizar.

5. Mobilize as pessoas a sua volta
Com tudo isso em mente, é a hora de mostrar aos outros que ser um consumidor consciente faz bem para todo mundo e aprender a ir além e dar mais um passo rumo ao consumo 100% consciente. Para isso:
- Incentive as pessoas de casa a seguirem seus passos e passe mais tempo com a família e amigos;
- Pense e aconselhe os outros a pensarem de forma consciente;
- Invista no consumo colaborativo, troque peças, empreste e alugue;
- Não jogue alimentos fora.

Fonte: CNDL

24 DE AGOSTO

Liderando na crise

Aumento do desemprego, inflação e juros em alta, recuo do PIB, queda da produção industrial e do consumo, desaquecimento da economia. O atual cenário requer cautela e planejamento.

Diante da crise, o líder não pode se manter atrás de portas fechadas, atordoado por dados e tolhido por números, perdendo a conexão com a sua equipe. Mais do que nunca, ele precisa estar visível, acessível e engajado.

Gosto de citar o exemplo do ex-prefeito de Nova Iorque Rudolph Giuliani. Nos dias que se seguiram aos ataques terroristas de 11 de setembro, ele percorreu as ruas consolando, encorajando e ouvindo a população.

Giuliani planejou e liderou os esforços por limpeza e salvamento, compareceu a mais de 100 funerais, fez reuniões diárias e se comunicou incessantemente. Em vez de ficar na retaguarda, isolado em seu gabinete, ele se manteve na linha de frente, pois sabia que era uma referência para os seus comandados.

Inspirar e envolver os colaboradores em um esforço conjunto é fundamental para submergir de momentos de turbulência. E, para construir a confiança da equipe, é importante liderar pelo exemplo.

Ações falam mais alto que palavras. Ver alguém dizer uma coisa e fazer outra provoca um sentimento negativo. Por outro lado, quando as pessoas sabem que o líder pratica o que fala, elas pensam: “Se ele consegue, eu também consigo”.
Por isso, é essencial o líder estar consciente do que diz, para quem diz e quem está ouvindo o que diz. Afinal, os colaboradores devem ter como espelho aquele que os dirige.

Outro princípio crucial da liderança é ser um bom estrategista. Ao pensar de forma estratégica, o líder apresenta grande poder de análise, procura estudar as situações e avaliar os ganhos e as perdas antes de tomar decisões. Ele consegue ter uma visão ampliada do negócio para poder traçar o seu plano de ação.

A liderança estratégica tem os pés no presente, mas os olhos no futuro. É necessário entender as complexidades e os desafios da atualidade, mas sem perder a capacidade de pensar a longo prazo, pois aquele que não sabe aonde quer chegar, provavelmente chegará a qualquer lugar, ou a lugar nenhum.

A boa visão dos gestores é o ponto de partida para guiar a equipe pela rota correta até alcançar a meta pretendida. O líder deve apontar a direção que a empresa seguirá, delegar funções de forma justa e profissional e cobrar resultados.

Por fim, o líder precisa saber transmitir suas ideias às mentes e aos corações das pessoas. Para isso, um bom caminho é contar histórias. Não adianta apresentar somente números para a equipe. As histórias são pessoais, apaixonadas e preenchem um propósito. Elas envolvem a todos e os motivam à ação.

Carlo Fornazier, presidente da Câmara de Dirigentes Lojistas (CDL) de Vitória

21 DE AGOSTO

Coisas que você nunca deve dizer no ambiente de trabalho

Escolher as palavras e frases certas pode inspirar, cativar e até motivar as pessoas ao seu redor. Então, confira algumas coisas que você não deve dizer no ambiente de trabalho.

“Não é justo” – o colega conseguiu uma promoção e você não. Em vez de choramingar, apresente um argumento inteligente para quem possa ajudá-lo.

“Não é problema meu” – se você pede algo para alguém e essa é a resposta, a sensação não é das melhores. Seja parte da equipe e trabalhe como um time.

“Eu acho que…” – quais dessas frases soam melhor: “Eu acho que…” ou “Eu acredito que…”, “Eu sei…”. Portanto, fale com propriedade. É um detalhe sutil, mas que pode fazer toda a diferença durante uma reunião importante.

“Eu odeio isso” – não é confortável conviver com alguém que reclama de tudo o tempo todo. Reclamar é normal e às vezes desabafar faz bem. Mas prefira fazer isso em um momento mais reservado.

“Isso é impossível” – mesmo? Você tem certeza que não vê solução nenhuma para esse problema ou está apenas exausto? Procure refletir antes de dizer algo assim. Mostre caminhos em vez de recusar alguma coisa de primeira.

“Você deveria ter feito de outra forma” – prefira dizer “da próxima vez” ou “eu recomendo que…”. Assim você não faz a pessoa se sentir culpada e dá uma instrução sem julgamentos. É isso que um bom chefe faz.

“Eu não tenho tempo para isso” – mesmo que você realmente não tenha, ninguém quer se sentir menos importante. Prefira responder com um horário em que você esteja disponível no futuro ou se proponha a procurar a pessoa assim que tiver um tempinho.

20 DE AGOSTO

Marketing de relacionamento: a presença que faz a diferença

Muitas vezes, as empresas investem pesado em estratégias ousadas para aumentar a carteira de clientes, mas não se preocupam em desenvolver ferramentas e ações para reter e fidelizar o atual cliente.

Especialistas afirmam, no entanto, que conquistar um cliente novo pode custar até cinco vezes mais para a organização do que manter um antigo. Por isso, no mercado atual de concorrência desenfreada, o marketing de relacionamento destaca-se como vantagem competitiva fundamental.

Esse braço do marketing compreende o conjunto de esforços integrados com foco em criar um relacionamento forte e duradouro da empresa com o cliente.

O resultado dessa abordagem é uma proximidade individual a partir de um vínculo de confiança e credibilidade, capaz de proporcionar muitos benefícios no longo prazo, seja no aspecto da imagem institucional, seja no mercadológico, com a ampliação das vendas pelo “marketing boca a boca” (divulgação e recomendação de produtos e serviços pelos próprios clientes).

Cinco passos simples para começar um marketing de relacionamento

1) Conheça o seu cliente: este é o primeiro passo para iniciar um relacionamento de forma acertada e eficaz. Além de dados básicos (nome, endereço, telefone, e-mail, data de aniversário, valor da última compra, histórico de compras), busque conhecer os gostos, preferências e comportamentos do cliente. Faça uma pesquisa breve no próprio estabelecimento, com perguntas rápidas. Assim você poderá criar um banco de dados completo com o perfil de cada cliente. Se o porte da sua empresa não permite investir num sistema profissional de banco de dados, uma planilha em Excel pode ajudar.

2) Identifique os clientes mais valiosos: a partir dos dados levantados e da análise de faturamento, selecione aqueles clientes mais valiosos (que contribuíram com parte significativa do faturamento e, ainda, os já fidelizados). Desenvolva estratégias diferenciadas para esse grupo, avaliando a possibilidade, por exemplo, de um programa de fidelidade atraente. Estude bem os critérios e regras da ação, a fim de que não ela não gere nem prejuízos para a empresa nem frustração para o cliente. Tenha também uma equipe bem treinada para atender a esse grupo de modo personalizado.

3) Consumidor valorizado é cliente fiel: antecipar as novidades para clientes fiéis, convidá-los para o coquetel de lançamento da nova coleção, enviar cartão de aniversário ou de agradecimento pela confiança e preferência, realizar ações em datas comemorativas. Tudo isso fará com que o cliente se sinta valorizado e satisfeito com a loja, agregando valor à marca.

4) Selecione os canais adequados para contato: este é um passo imprescindível para que o estabelecimento não seja inconveniente. Depois de conhecer o perfil dos clientes, avalie o melhor meio de contatá-lo (e-mail, SMS, aplicativo de celular, redes sociais, telefone etc.). Com criatividade e bom senso, explore a especificidade de cada meio para surpreender o cliente no contato. Nas redes sociais, por exemplo, não faça só propagandas, apresente conteúdos interativos e diferenciados, comente os acontecimentos e eventos locais e nacionais, enfim, relacione-se!

5) Invista no pós-venda: nada de sumir da vida do cliente depois da venda. Essa etapa é fundamental para reforçar a relação de confiança: faça contato para verificar a satisfação com o produto e com o atendimento. Caso haja algum problema, mostre-se disposto a ajudar a resolver. O cliente perceberá a sua preocupação e disponibilidade em satisfazê-lo.

19 DE AGOSTO

O poder da liderança: gestão de pessoas com foco em resultado

Vem aí o curso “Gestão de pessoas e liderança com foco em resultados”, com o consultor de empresas e instrutor do Sebrae Romário Vargas. A capacitação será realizada no dia 27 de agosto, no auditório da Faculdade Cândido Mendes, e no dia 3 de setembro, na Associação Comercial, Industrial e de Serviços de Cachoeiro de Itapemirim (Acisci), das 13h15 às 21h15.

O valor é R$ 240,00, mas associados da CDL Vitória têm desconto especial de 50%.
Alguns temas centrais do curso: o DNA do bom líder; perfis de líderes/gerentes; modelos de lideranças; o poder da comunicação; cinco fatores de sucesso na vida; gestão de pessoas com ferramentas de coaching; comunicação verbal; arrumando a casa; a arte de admitir e demitir; motivando todos para vender mais e melhor e entendendo o consumidor em tempos de crise, entre outros.

Mais informações e inscrições pelo telefone 99252-9286 ou por meio do e-mail rvconsultoriaecontatos@gmail.com.