Arquivo mensais:maio 2016

31 DE MAIO

Novo modelo de governança aos dirigentes do sistema CNDL

A unificação de demandas e ações do Novo Modelo de Governança do Sistema CNDL têm sido apresentadas aos dirigentes das FCDLs e CDLs pelo presidente da CNDL, Honório Pinheiro, em todas as regiões do Brasil.

Recife (PE), Vitória (ES), Salvador (BA), São Luís (MA), Florianópolis (SC), Porto alegre (RS), Belo Horizonte (MG), Cuiabá (MT), Rio de Janeiro (RJ), Manaus (AM), Brasília (DF) e Goiânia (GO) conheceram mais de perto a proposta do Novo Modelo entre os meses de março e maio.

Honório Pinheiro expôs a agenda positiva de trabalho e colheu sugestões para melhorias da proposta, fruto da parceria com a KPMG, Fundação Dom Cabral e das premissas levantadas com os dirigentes do Sistema CNDL.

A KPMG pesquisou entidades no Brasil e diagnosticou que o modelo atual tem altos riscos operacionais e financeiros para o Sistema CNDL, além de grande insegurança jurídica com riscos de perda e isenção tributária.

Durante as exposições, Honório Pinheiro explicou que o novo modelo inclui o formato de empresa com fins lucrativos, no caso uma sociedade anônima, de capital fechado, oferece os melhores resultados em termos de potencialização dos negócios e mitigação dos riscos.

O modelo também permite captar financiamento para crescer e formar joint ventures – cooperação econômica ou estrutural entre duas ou mais empresas.

Para o professor da Fundação Dom Cabral, Valdemar Barros, o atual modelo é fusionado, ou seja, mistura associativismo com prestação de serviços. “A nova solução passa a se configurar como diferenciada, cujos componentes representatividade e serviços destravam as limitações e potencializam o associativismo como instrumento de rede e oferta de serviços”, explica.

Por onde passou, Honório Pinheiro pediu a mobilização de todos para aprovar a proposta. “As lideranças devem se apropriar do novo modelo, compreender os detalhes e sugerir melhorias. Esse projeto, não é da CNDL, nem é do SPC Brasil, é do varejo brasileiro. É um modelo inclusivo, em que não vai deixar fora nenhuma CDL do País. Traz as melhores práticas de governança e tem uma aderença absoluta sobre a instrumentação legal, pois o modelo atual está vencido”, enfatizou.

Em Salvador, por exemplo, ficou claro que o novo modelo preserva a representação institucional do jeito que ocorre atualmente, mas fortalece a prestação de serviços. Brenno Barreto afirmou que a FCDL Sergipe e CDL Aracaju apoiam o projeto. Em Vitória, o presidente da FCDL Espírito Santo, Geraldo Magela Martins, também manifestou sua concordância quanto ao modelo apresentado.

A exposição tem sido bem acolhida pelos dirigentes e contado com aprovação e contribuições valiosas na consolidação do alinhamento estratégico que sustentam a proposta de novo modelo – segurança jurídica, governança societária, corporativa, crescimento e expansão do negócio. Também estão programadas apresentações sobre o Novo Modelo de Governança nos dias 6, 7 e 8 de junho, na Sede da CNDL, em Brasília.

Para saber mais sobre o Novo Modelo de Governança, acesse: www.cndl.org.br/novomodelo ou, em caso de dúvidas, envie e-mail para novomodelo@cndl.org.br.

23 DE MAIO

CDL Jovem promove o Dia da Liberdade de Impostos

Os brasileiros terão de trabalhar 154 dias somente para pagar os tributos exigidos pelos governos federal, estadual e municipal este ano. Com o objetivo de chamar atenção para essa data, a CDL Jovem vai realizar mais uma edição do Dia da Liberdade de Impostos (DLI), nesta quinta-feira (2).

A cada ano, o período que marca o dia em que a população deixa de trabalhar apenas para pagar os impostos é superada. No ano passado, o brasileiro trabalhou até 31 de maio. Agora, entra no sexto mês do ano, dia 2 de junho.

A programação inclui ações em shoppings, postos de gasolina e comércios locais de nove estados e no Distrito Federal, que venderão produtos para os consumidores sem o valor dos impostos. Os tributos serão pagos pelos patrocinadores locais e apenas o consumidor final poderá adquirir os itens com o valor simbólico.

Em Vitória, quem abastecer no Posto Enseada, localizado na Enseada do Suá, vai pagar R$ 1,58 pelo litro de gasolina, uma economia de cerca de R$ 2 por litro, já que o preço atual, considerando o imposto de 56%, gira em torno de R$ 3,59.

O diretor da CDL Jovem, Pablo Guterres, esclarece que a campanha não é contra o pagamento de impostos. “Acreditamos que o limite de percentual de pagamento de impostos já foi atingido, uma vez que a cada ano o percentual aumenta e, consequentemente, o número de dias trabalhados também”.

Serviços em qualidade

O Brasil é o sétimo País com a maior carga tributária. Porém, comparando os serviços fornecidos pelo governo com os dos demais, os brasileiros são os que têm o pior custo-benefício, tendo como base o percentual de arrecadação e a qualidade dos serviços públicos fornecidos.

Segundo o Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), em 2003, o contribuinte brasileiro teve que destinar, em média, 36,98% do seu rendimento bruto para pagar tributos, por exemplo. No ano passado, foi 41,37%.

“Já estamos no limite do percentual de arrecadação. A atual situação inviabiliza a manutenção das empresas como geradoras de emprego e renda”, enfatiza o diretor da CDL Jovem do Distrito Federal, Raphael Paganini. Levantamentos mostram que nos primeiros três anos de fundação, aproximadamente 50% das empresas fecharam as portas.

A Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL) e a CDL Jovem defendem a simplificação tributária, a criação de um ambiente de negócios favorável ao investimento, incluindo um mercado de trabalho mais flexível e uma política de crédito e financiamento apropriados.

Também atuam no Congresso Nacional para regulamentar os meios de pagamento e a reforma previdenciária. “Apoiamos as políticas que superam os principais obstáculos para o setor varejista, como a proposta do Senado Federal que prevê a simplificação tributária”, afirma o presidente da CNDL, Honório Pinheiro.

Simplificação tributária

O sistema tributário brasileiro é um dos mais complexos do mundo devido à quantidade de impostos e taxas que subsistem, criando incidência de bitributação e abrindo exceções que tornam a base tributária restrita a um menor número de contribuintes.

A primeira consequência desse tipo de sistema é tornar a carga de impostos regressiva, ou seja, o esforço tributário acaba pesando sobre os contribuintes de menor poder econômico. Outra consequência é o elevado custo de administração tributária pelas empresas.

Tramita no Senado Federal o PLC 125/2015, conhecido como “Supersimples”. O projeto de lei reorganiza e simplifica a metodologia de apuração do imposto devido por optantes do Simples Nacional.

Também há outros projetos importantes que tratam de simplificação tributária: PL 170/2012 (regula a forma como, mediante deliberação dos estados e do Distrito Federal, são feitas isenções, incentivos e benefícios fiscais relacionados a alguns impostos); PL 40/2014 (estabelece normas para a concessão de incentivos fiscais e fiscal-financeiros e de benefícios fiscais no âmbito da União, dos estados, do Distrito Federal e dos municípios, para aplicação nos Programas de Desenvolvimento Regional); e PLC 402/2014 (visa regulamentar o sistema de substituição tributária).

25 DE MAIO

Litro da gasolina será vendido a R$ 1,58 em posto de Vitória

Os motoristas de Vitória poderão economizar na hora de comprar gasolina, no dia 2 de junho. Quem abastecer o veículo no Posto Enseada, localizado na Enseada do Suá, vai pagar R$ 1,58 pelo litro do combustível, o que irá gerar uma economia de R$ 2,01 por litro, já que o preço atual gira em torno de R$ 3,59.

A gasolina ficará mais barata porque será vendida sem imposto – no caso desse combustível, o tributo representa 56% do preço. A ação faz parte da oitava edição do Dia da Liberdade de Impostos (DLI), promovida pela CDL Jovem Vitória com o objetivo de protestar e conscientizar a população sobre a alta carga tributária brasileira.

Durante a campanha, será permitido o abastecimento de até R$ 40 de gasolina por carro. Para motos, o limite é de R$ 10. Os motoristas vão começar a receber as senhas às 7 horas, sendo 150 para carros e 30 para motos.

O abastecimento terá início às 8 horas e será encerrado quando os 4 mil litros de gasolina sem imposto forem vendidos. O pagamento deverá ser feito apenas em dinheiro.

Segundo o presidente da CDL Jovem Vitória, Bruno Mazzei, a data do DLI marca simbolicamente a época do ano em que os brasileiros passam a trabalhar para proveito próprio, após quitar todos os tributos cobrados pelos governos federal, estadual e municipal.

“Este ano passaremos mais de cinco meses trabalhando apenas para pagar impostos. E a proporção só aumenta. Há 30 anos, eram pouco mais de 80 dias. Agora já são 154 e, ainda assim, não contamos com serviços públicos de qualidade. A sociedade precisa participar desse debate e cobrar a correta destinação dos recursos arrecadados”, afirmou Mazzei. A programação é nacional, sendo realizada em nove estados e no Distrito Federal.

O Espírito Santo já arrecadou, este ano, mais de R$ 4,7 bilhões em impostos. No Brasil, esse número passa dos R$ 807 bilhões.

SERVIÇO

Dia da Liberdade de Impostos 2016
Quando: 2 de junho
Local: Posto Enseada (bandeira Ipiranga), situado na Avenida Nossa Senhora dos Navegantes, em Vitória, próximo ao Hortomercado
Ação: venda de 4 mil litros de gasolina sem imposto
Distribuição das senhas: a partir das 7 horas

24 DE MAIO

Tendências mundiais de varejo e negócios

Vem aí o Seminário Tendências do Varejo, no dia 31 de maio, às 8h30, no Teatro da Ufes. O evento é realizado pelo Sebrae/ES por meio da Unidade de Atendimento Setorial Comércio (Uasc) e, em 2016, chega a sua terceira edição.

Para este ano, a proposta é que o empresário capixaba tenha a oportunidade de conhecer as novidades do mercado de varejo, contribuindo, dessa forma, para aumentar a sua qualificação.

Além disso, nesse momento instável da economia do país, será uma excelente forma de inspirar os empresários a ter boas ideias e mudar os comportamentos, na tentativa de inovar no negócio e manter-se competitivo.

Neste evento, o empresário terá a oportunidade de se inteirar das novidades do varejo mundial apresentadas na Retail’s Big Show, a maior feira do setor, realizada pela NRF (National Retail Federation), em Nova Iorque.

O palestrante será Edmour Saiani.

O evento é gratuito, mas com vagas limitadas. O público alvo são empresários das micro e pequenas empresas.

Este o link para se inscrever: https://docs.google.com/a/conectacomunica.com.br/forms/d/1BZs6zSt2ZE2Ggot-z8S1KXtEYcoIkExMKhksPcFKdo4/viewform

Participe!

23 DE MAIO

DLI será realizado no dia 2 de junho

No Dia da Liberdade de Impostos (DLI), marcado para 2 de junho, a CDL Jovem Vitória protesta contra a alta carga tributária e a complexidade fiscal existentes em nosso país, sobretudo diante da má destinação dos recursos arrecadados e da ineficiência dos serviços públicos.
O evento será realizado a partir das 7 horas, no posto Enseada, na Av. Nossa Senhora dos Navegantes, na Enseada do Suá, ao lado do Hortomercado.
Na ocasião, serão vendidos 4 mil litros de gasolina sem impostos. Também vai ser realizada uma ação de conscientização da população quanto ao peso dos impostos sobre o cidadão e quanto à má destinação desses recursos.
As ações realizadas no DLI estão inseridas dentro da atuação da CDL Jovem Vitória para a melhoria do ambiente regulatório do Espírito Santo, e são parte integrante do plano de intervenções da Federação Capixaba de Jovens Empreendedores (Fecaje) no ecossistema empreendedor capixaba.
Quer ajudar na divulgação do evento? Troque a foto de capa do seu Facebook. Basta clicar neste link:
https://drive.google.com/file/d/0B0qnQd08aE6Pb2tRaWNTNEM5d28/view

Contamos com você!

 

19 DE MAIO

Menos impostos, mais investimentos

Uma queixa recorrente entre quase todos os brasileiros é o peso que a carga tributária exerce sobre o seu dia a dia. Neste ano, já pagamos cerca de R$ 730 bilhões em impostos, segundo dados do Instituto Brasileiro de Planejamento e Tributação (IBPT), sendo que no Espírito Santo, até o momento, foram recolhidos aproximadamente R$ 4,3 bilhões. Em 2015, foi alcançada pela primeira vez em um ano a marca inédita de R$ 2 trilhões pagos em tributos.

Encarar o chamado custo Brasil não é fácil. Temos uma das maiores cargas tributárias do mundo. No caso do preço da gasolina, por exemplo, os impostos chegam a 53%. No valor de um micro-ondas, 59%; nos brinquedos, 39%. Ainda assim, o retorno fica bem abaixo do esperado.

Imposto demais significa investimento de menos. São menos empregos, menos lucro, menos crescimento econômico. Os altos tributos não inibem apenas grandes projetos empresariais, mas também a formação e o crescimento de pequenos e médios negócios, tradicionais geradores de emprego formal.

E, para conscientizar a população sobre os encargos que incidem, direta ou indiretamente, sobre a sua renda, a CDL Jovem Vitória vai promover a oitava edição do Dia da Liberdade de Impostos (DLI), no próximo dia 2 de junho.

A ação, realizada simultaneamente em vários estados, já se transformou em uma importante ferramenta de cidadania ao prestar informações aos contribuintes, permitindo que eles exijam serviços públicos de qualidade e um Estado eficiente.

A data do DLI marca simbolicamente a época do ano em que os brasileiros passam a trabalhar para proveito próprio, após quitar todos os tributos cobrados pelos governos federal, estadual e municipal.

Parece piada, mas não é. Dos 12 meses do ano, o cidadão tem que trabalhar cinco meses somente para pagar toda essa carga tributária. Hoje, se trabalha o dobro do que se trabalhava na década de 70!

Muitos não sabem, mas a tributação incidente sobre os rendimentos (salários, honorários e outros) é formada, principalmente, pelo Imposto de Renda Pessoa Física, pela contribuição previdenciária (INSS, previdências oficiais) e pelas contribuições sindicais.

Além disso, o cidadão paga a tributação sobre o consumo – já incluída no preço dos produtos e serviços – (PIS, Cofins, ICMS, IPI, ISS e outros) e também a tributação sobre o patrimônio (IPTU, IPVA, ITCMD, ITBI, ITR).

Arca, ainda, com mais tributações, como taxas (limpeza pública, coleta de lixo, emissão de documentos) e contribuições (iluminação pública e outros).

De 2004 a 2014, a carga tributária brasileira cresceu 2,23 pontos percentuais, subindo de 33,19% para 35,42%. Isso representou mais de R$ 200 bilhões de arrecadação extra, provenientes dos sucessivos aumentos de impostos.

Somente em 2009 e 2012 houve redução da carga tributária em relação ao ano anterior, sendo que nos outros oito anos foi registrado crescimento. Em média, o peso dos impostos se eleva em 0,22 ponto percentual ao ano.

Em valores, a arrecadação tributária passou de R$ 650,13 bilhões no ano de 2004 para R$ 1,95 trilhão em 2014, com crescimento nominal de 201% e crescimento real de 78%, excluindo a inflação medida pelo IPCA.

A sociedade precisa participar do debate sobre o tema. É dessa forma que vamos construir a consciência de que os impostos, quando usados da forma correta, em educação, saúde, saneamento básico e tantos outros serviços necessários à população, têm a finalidade de fomentar o desenvolvimento social e de financiar os serviços públicos. Cabe a nós cobrar que as aplicações sejam feitas de forma coerente.

Fonte: Artigo de Bruno Mazzei, presidente da CDL Jovem Vitória

18 DE MAIO

Classes C e D foram as que mais abriram loja virtual em 2015

O micro e pequeno empreendedor digital no Brasil busca informações sobre a área pela internet, está otimista para 2016 e pretende investir mais em marketing e produtos como estratégia para se destacar dos concorrentes no mercado.

Estes são alguns resultados da pesquisa que mapeou o perfil do micro e pequeno empreendedor digital, realizada pelo segundo ano pela plataforma de e-commerce mais popular do Brasil, Loja Integrada (www.lojaintegrada.com.br), que entrevistou 1.056 lojistas virtuais de todo o país nos meses de fevereiro e março.

A pesquisa apontou que este lojista é jovem – tem entre 20 e 29 anos, 71% são homens e a maioria é casada e sem filhos – e escolarizado – 40% participam de cursos livres, 37,7% se informam por meio do Sebrae e cerca de 32% frequentam palestras, cursos e workshops voltados para o e-commerce.

Sobre a atuação no mundo do empreendedorismo digital, mais de 62% possuem sua loja virtual há pelo menos um ano e investiram inicialmente R$ 1 mil. “A pesquisa mostra que o ano passado foi um bom ano para ingressar no e-commerce. Para 2016, os lojistas estão otimistas, buscando alternativas para crescer”, explica Adriano Caetano, especialista em comércio eletrônico e diretor da Loja Integrada.

A principal motivação para abrir uma loja virtual foi o sonho de se tornar empreendedor e, para 35%, o e-commerce foi uma alternativa para complementar a renda.

“Quase 29% dos entrevistados são da classe D, seguidos por C. Isso mostra que as pessoas viram no e-commerce uma oportunidade. Como exige pouco investimento inicial e os riscos são baixos, isso permite que o lojista experimente, arrisque. Percebemos que a loja virtual começa como uma alternativa de renda e, com o crescimento, torna-se a fonte de renda principal”.

Como estratégia para divulgação de produtos, 83% apostam na rede social Facebook e 53% já utilizam o WhatsApp como ferramenta de venda e divulgação. Já a estratégia que mais traz retorno em vendas é o Facebook, seguido de campanhas no Adwords.

Ainda de acordo com o levantamento, 68% dos lojistas estão mais felizes com a vida após dedicar-se ao e-commerce e 44% das pessoas acreditam que ganharam mais liberdade ao abrir seu próprio negócio, seguido por autoestima e tempo.

Para 2016, 85,6% estão otimistas com o crescimento do seu negócio e 77% pretendem investir mais em marketing e produtos para a sua loja.

Fonte: Agência IN

17 DE MAIO

Ilan Goldfajn é indicado para a presidência do Banco Central

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, anunciou na manhã desta terça-feira (17/05) o nome de Ilan Goldfajn para o comando do Banco Central. Ele já foi diretor de Política Econômica do próprio BC no mandato do presidente Fernando Henrique Cardoso e no início do governo Luiz Inácio Lula da Silva, entre 2000 e 2003.

Goldfajn era economista-chefe e sócio do Itaú Unibanco. Economista com mestrado pela PUC do Rio de Janeiro e doutorado pelo Massachusetts Institute of Technology (MIT), ele já atuou em organizações internacionais, como o Banco Mundial, o Fundo Monetário Internacional (FMI) e as Nações Unidas.

Após o anúncio, o atual presidente do Banco Central, Alexandre Tombini, divulgou nota na qual elogia a indicação de Goldfajn e afirma que o economista é um profissional “reconhecido, com larga experiência no setor financeiro brasileiro, ampla visão da economia nacional e internacional”.

Para Tombini, as qualidades e a formação de Goldfajn “o credenciam a uma bem-sucedida gestão frente à autoridade monetária brasileira”.

O ministro da Fazenda, Henrique Meirelles, disse que após deixar a presidência do BC, Alexandre Tombini continuará “integrando a alta administração federal em outra função”, mas não adiantou qual será.

Goldfajn também foi diretor do Instituto de Ensino e Pesquisa da Casa das Garças, ligado ao PSDB, entre 2006 e 2009, foi sócio-fundador da Ciano Consultoria (2008 e 2009), sócio-fundador e gestor da Ciano Investimentos (2007-2008) e sócio da Gávea Investimentos (2003-2006), de Armínio Fraga, onde foi responsável pelas áreas de pesquisas macroeconômicas e análise de risco.

Respeitado pelo mercado e pelo setor empresarial, é considerado um economista com uma visão conservadora, que não se furta a subir os juros quando necessário para conter as pressões inflacionárias – missão institucional do Banco Central.

Para tomar posse no Banco Central, Goldfajn ainda tem de ser sabatinado pela Comissão de Assuntos Econômicos (CAE) do Senado Federal e ter seu nome aprovado por esta comissão e também pelo plenário daquela Casa – assim como os diretores que forem por ele indicados.

Autonomia técnica

Segundo Meirelles, o presidente do Banco Central deixará de ter status de ministro de Estado. Ele acrescentou que será enviado um projeto ao Congresso Nacional para que o presidente, assim como a diretoria da entidade, tenham foro privilegiado no Supremo Tribunal Federal (STF).

Nesta terça, Meirelles acrescentou que o governo também vai propor ao Congresso uma “autonomia técnica” para o Banco Central. Entretanto, ele disse que essa autonomia não é o mesmo que independência do BC.

“Também será proposta a autonomia técnica decisória do Banco Central”, declarou ele nesta terça. “O que vai ser definido é autonomia técnica. Não tem questionamento sem ter autonomia técnica para decidir. Nesse momento, não há definição de mandatos (para os integrantes do BC). É algo que vamos analisar com profundidade”, disse Meirelles.

Fonte: G1

16 DE MAIO

WhatsApp é principal canal de comunicação com os clientes

A internet e as redes sociais são as principais ferramentas dos jovens empreendedores brasileiros para se informarem sobre o mundo dos negócios e se relacionarem com seu público-alvo.

Segundo uma pesquisa do Serviço de Proteção ao Crédito (SPC Brasil) e da Confederação Nacional de Dirigentes Lojistas (CNDL), para mais da metade dos jovens empreendedores entrevistados (51,9%), o WhatsApp, aplicativo de mensagens instantâneas, é o principal canal de comunicação com os clientes.

Em seguida, aparecem os perfis em redes sociais como Facebook e Instagram (41,2%) e os anúncios pagos no Facebook (26,9%), deixando para trás ferramentas tradicionais como campanhas publicitárias (4,6%) e e-mail marketing (8,5%).

O levantamento feito em todo o Brasil mapeou o processo de abertura da empresa, as competências dos jovens empreendedores na condução do negócio e também as práticas de vendas e relacionamento com os clientes.

“Entre os jovens empreendedores, com idade entre 18 e 34 anos, espera-se que haja menos dificuldade e resistência para fazer uso de tecnologias. A internet já é inerente ao dia a dia e usar essa ferramenta para dar início, alavancar e potencializar seus negócios é normal e positivo”, afirma Pablo Guterres, presidente da CDL-Jovem, entidade ligada à CNDL que fomenta o desenvolvimento de jovens empresários.

“Porém, os aplicativos não podem e não devem ser o único meio pelo qual os empresários se relacionam com seu público-alvo – sejam eles clientes ou outros empresários.”

A pesquisa mostra que apenas 37,8% dos entrevistados declararam que investem muito no relacionamento com os clientes.

“Devido à inexperiência de mercado e um baixo capital de giro, muitos jovens empreendedores acabam utilizando ferramentas online e aplicativos por serem opções fáceis, baratas e efetivas. Outros canais tradicionais de comunicação com o cliente são importantes, mas podem exigir profissionais especializados, orçamento maior e mais tempo dedicado às plataformas – fatores dificilmente encontrados em novas empresas”, explica Guterres.

A presença na internet tem como principal benefício para seis em cada dez jovens empresários a intensificação na comunicação com o público-alvo (61,7%), seguido pela expansão da base de atuação e fazer novos clientes (43,2%). Para 41,9%, os sites e os portais são os principais canais de informação de assuntos relacionados à empresa dos entrevistados e o mercado em geral.

As redes sociais foram mencionadas por 31,5%. Já o relacionamento com o mercado é feito por meio do contato com pessoas que atuam no mesmo setor (53,3%), seguido por participação em feiras e exposições (25,7%).

Capital médio

Para fugir da opção mais comum de trabalhar como empregados, os jovens empreendedores decidem partir em busca de melhores condições de vida e colocar suas ideias em prática. Para tal, desafiam até mesmo a própria inexperiência devida ao fato de terem pouca idade na média: a pesquisa mostra que 64,8% dos empreendedores jovens são novatos no segmento que investiram.

A principal motivação para que os entrevistados abrissem o próprio negócio é a independência financeira (24,3%), seguida pela melhoria na qualidade de vida (14,5%) e uma alternativa ao desemprego (11,2%).

A abertura da empresa, entre aqueles que não herdaram o negócio montado, foi feita utilizando principalmente o capital próprio e em média foram investidos quase R$ 8 mil. As principais dificuldades vivenciadas na abertura da empresa foram a falta de dinheiro (38,2%), conseguir os primeiros clientes (35,0%) e a falta de experiência como gestor (28,1%).

Neste processo, 83,0% desses empresários fizeram o planejamento de preço e vendas, 80,8% elaboraram um plano de negócios, 67,7% contrataram empregados antes de abrir a empresa, 76,3% organizaram as instalações e os equipamentos e 75,7% fizeram estudos sobre o mercado.

As definições do formato de gestão da nova empresa e o plano de marketing foram feitos por, respectivamente, 63,9% e 62,1%. Quase três em cada dez, no entanto, deixaram de fazer a constituição legal da empresa (29,9%).

“As habilidades e competências do gestor em cada uma dessas atividades fazem a diferença, aumentando as chances de sucesso e evitando problemas financeiros mais graves”, explica a economista-chefe do SPC Brasil, Marcela Kawauti.

A maior parte dos jovens empreendedores que adotaram as medidas relatadas para a abertura da empresa tomou essa atitude sozinha, sem recorrer à ajuda de familiares, amigos, ou profissionais. “O planejamento também é algo fundamental e os empresários iniciantes não precisam fazer sozinhos”, afirma Kawauti.

“Muitas iniciativas de empresas como o Sebrae são capazes de beneficiar quem está começando um novo negócio, ajudando em aspectos como a criação de um plano de negócios com objetivos reais e adequados a cada mercado, a organização de um orçamento com equilíbrio financeiro e fluxo de caixa, e a adoção das melhores estratégias de marketing, por exemplo”, conclui.

Fonte: CNDL

13 DE MAIO2

Cerca de 31% da população economicamente ativa do Estado está com o nome sujo

O número de pessoas endividadas no Espírito Santo é o maior em cinco anos, de acordo com dados da CDL Vitória. O número em abril deste ano cresceu 9,69%, cerca de 57 mil pessoas a mais em relação ao mesmo mês de 2015, representando o maior crescimento dos últimos cinco anos.

No total, 599.606 capixabas estão negativados, ou seja, cerca de 31% da população economicamente ativa do Estado está com o nome sujo.

Quem tenta não entrar nessa lista é o autônomo William Silva, de 35 anos. Ele revela que deve cerca de R$ 25 mil, entre contas de cartão de crédito, cheques, água e energia, mas ainda não está com o nome negativado. William coloca a crise como culpada pelo alto número de endividados e tenta se organizar de forma a não ficar com o nome sujo.

“Na minha família, para não deixar de ter o que é essencial, a gente sempre fica com uma ou duas contas atrasadas, ou paga uma mais antiga. Conta de energia deve ter umas três ou quatro, água também. Não sei como não cortaram. A gente vai levando, conseguindo dar a volta por cima dessa forma”, lamenta.

De acordo com o gerente operacional da CDL Vitória, Geraldo Calenzani, o número mais uma vez está relacionado à crise. Ele afirma que a inflação alta e o desemprego fazem com que a renda do consumidor fique comprometida.

“O que mais tem contado é a questão da crise econômica. Todo esse cenário deixa o consumidor mais pessimista em relação à recuperação e ele acaba deixando de assumir os compromissos”, ressalta.

Fonte: CBN Vitória