Cresce o número de bancos digitais que prometem isenções e vantagens ao consumidor. Conheça os principais e saiba se vale a pena fazer a transição:

Enfrentar filas em agências bancárias é um exercício de paciência. Não é à toa que existem até leis para regulamentar o tempo máximo de espera. Mesmo assim, os bancos estão sempre entre as primeiras instituições nos rankings de reclamações dos órgãos de defesa do consumidor.

Pegando carona nessa insatisfação generalizada e estimulados pela presença cada vez mais constante da tecnologia na vida das pessoas, os bancos digitais estão em pleno crescimento, conquistando clientes com o argumento da facilidade, rapidez e isenção de custos. Mas será que fazer a transição para um banco digital vale a pena?

“Se você não precisa de atendimento presencial na agência e quer reduzir burocracias, a conta digital pode ser ideal, visto que todo o atendimento nos novos bancos é online”, diz Marcela Kawauti, economista-chefe do SPC Brasil. A tecnologia, porém, pode ser um desafio para alguns usuários, principalmente, os mais velhos.

Mas se sua motivação para mudar de banco for financeira, este pode ser um bom negócio. Essas fintechs prometem uma série de serviços sem cobrança de tarifas.

Mas Marcela recomenda cautela e pesquisa. “Antes de migrar para um banco digital, você precisa se certificar de que essa isenção cobre tudo o que você vai precisar, como o numero de transferências e o número de saques”, explica. É essencial estar atento às cláusulas contratuais e aos termos de uso para evitar surpresas desagradáveis.

Vale lembrar que você também tem direito a uma conta gratuita em seu banco físico. O Banco Central tem uma resolução que diz que toda pessoa pode ter acesso a uma conta de serviços essenciais sem cobrança de tarifas no banco em que tem conta – basta solicitar ao gerente.

Bancos digitais são seguros?

O Banco Central é um grande aliado para a segurança dos usuários de bancos digitais ou para quem está considerando a mudança. Por isso, antes de abrir sua conta, verifique sempre se o banco digital está autorizado a funcionar no site do Banco Central.

Assista ao vídeo e confira se vale a pena migrar para um banco digital

Quais são os principais bancos digitais?

NUCONTA: criada pelo grupo Nubank, a NuConta não é considerada nem conta corrente nem conta poupança. Disponível apenas para pessoas físicas, ela se autointitula uma conta de pagamento. É possível fazer compras com a função débito, pagar boletos, fazer transferências e TEDs gratuitamente.

Todo o dinheiro depositado rende mais do que a poupança, usando o CDI como índice. A única tarifa cobrada pela NuConta é para os saques feitos em caixas eletrônicos 24 horas: R$ 6,50 por saque.

BANCO INTER: para pessoas físicas, o Banco Inter promete serviços ilimitados e sem tarifas, como cartão sem anuidade, TEDs ilimitadas e saques na rede 24h. Para pessoas jurídicas, são 100 TEDs gratuitas por mês, maquininha de cartão com taxas exclusivas e geração de folha de pagamento automática. A Conta Digital MEI está disponível para quem já é correntista pessoa física e também oferece 100 TEDs gratuitas e 100 boletos para depósito por mês.

AGIBANK: seu próprio número de celular será o número da sua conta. Dessa forma, você pode fazer e receber pagamentos apenas acessando a lista de contatos que também possuam conta Agibank. É possível fazer 10 saques gratuitos por mês. Excedido esse limite, as tarifas custam a partir de R$ 3,99 por saque. Transferências para contas Agibank são ilimitadas. Para outros bancos são 4 gratuitas por mês e R$ 1,90 para cada excedente.

BPP: a BPP não oferece exatamente uma conta corrente, mas um modelo de cartão pré-pago que também permite transações bancárias como pagamento de boletos e transferências. A aquisição do cartão sai por R$ 19,90. A taxa de transferência é R$ 7,35 e os saques R$ 7. Para pessoas jurídicas, existe a possibilidade de emissão de diversos tipos de cartão, como cartões-presente para funcionários, além de todas as funcionalidades bancárias tradicionais.

NEON: o Neon não cobra tarifas de abertura, manutenção e encerramento de conta, assim como isenta também a anuidade do cartão. Transferências entre contas Neon são sempre gratuitas, e para outros bancos, apenas a primeira é gratuita e as demais custam R$ 3,50. O primeiro depósito via boleto e o primeiro saque da rede 24h no mês são gratuitos. Demais custam R$ 2,90 e R$ 6,90, respectivamente. Para pessoas jurídicas, cobra-se uma tarifa de R$ 2,90 por emissão de boleto e R$ 3,50 por TED.

NEXT: clientes Next podem fazer transferências ilimitadas para outros clientes Next ou Bradesco. Para outros bancos, apenas a primeira transferência é gratuita e as demais custam a partir de R$ 10,15. O Next ainda não possui a função de emissão de boletos, mas se destaca na possibilidade de saques: são ilimitados e gratuitos tanto na rede 24h como nas agências do Bradesco.

SOFISA: o Banco Sofisa Direto permite DOCs e TEDs ilimitados. A emissão de boletos também é liberada, desde que o valor seja maior que R$ 30. No pacote de serviços, são grátis 4 saques por mês na rede 24h. O grande destaque do Sofisa é o portfólio de investimentos, com LCIs, LCAs e CDBs.

ORIGINAL: o Banco Original cobra uma tarifa mensal de R$ 12,90. Em contrapartida, oferece transferências ilimitadas para clientes Original e de outros bancos, além de saques em caixas eletrônicos. Esse valor de tarifa é válido por um ano. Depois, as tarifas são personalizadas de acordo com o pacote escolhido. O Banco Original também oferece pacotes de serviços para pessoas jurídicas.

PAGBANK: a conta PagBank traz consigo a credibilidade da plataforma de pagamentos eletrônicos PagSeguro, já bem conhecida entre os que costumam fazer algum tipo de transição online. Extratos, pagamento de contas, recargas de celular, transferências para outras contas PagSeguro e depósitos por boleto são gratuitos e ilimitados. Já as TEDs para outros bancos são limitadas a 5 gratuitas por mês. Para as demais, é cobrada uma tarifa de R$ 1,99 cada.

MODALMAIS: o carro-chefe do Modalmais é a corretagem de investimentos. A conta digital permite que o cliente administre em uma só plataforma suas aplicações em Renda Fixa, Tesouro Direto, debêntures, mercado de ações, entre outras opções de investimento. Taxas de custódia e TEDs são gratuitas em todos os planos. As funções de cartão de débito e pagamentos podem ser feitas diretamente com o saldo dos investimentos.

SOCIAL BANK: o Social Bank não cobra nenhuma mensalidade de seus clientes, mas alguns serviços são tarifados. A emissão do cartão sai por R$ 9,90. Saques em casas lotéricas, assim como TEDs e DOCs para outros bancos custam R$ 5,99 por transação. O saque na rede 24h sai por R$ 6,99. Em contrapartida, depósitos, pagamentos e transferências entre contas Social Bank são gratuitas e ilimitadas.

PAG!: o Pag! é um cartão de crédito e uma conta digital ao mesmo tempo. Não tem anuidade nem tarifa mensal. Saques pelo Banco 24 Horas e TEDs para qualquer banco são ilimitados e gratuitos. Em contrapartida, o Pag! não permite receber TED ou DOC de outros bancos. Todas as transações e o controle são feitos exclusivamente pelo aplicativo. A análise de crédito impede que pessoas negativadas solicitem o cartão.

Fonte: Meu Bolso Feliz.

Recommended Posts